Ufopa fará estudos de impactos no rio Tapajós

As discussões sobre a contratação da Ufopa para realização do estudo foram iniciadas em 2013, por iniciativa da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), com vistas ao licenciamento para a operação das cerca de 60 balsas de mineração, que extraem ouro e diamantes do leito do Rio Tapajós, entre Itaituba e Jacareacanga. O trabalho deverá ser desenvolvido por dois anos e os recursos serão provenientes da Seicom, através da Taxa Mineral.

Imprimir

A exploração de ouro por balsas impõe gravíssimas ameaças ambientais ao rio Tapajós

SANTARÉM – A Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) recebeu nesta terça-feira, dia 10, a visita do representante da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração do Pará (Seicom), o geólogo José Maria do Nascimento Pastana. Em reunião com a reitora da Ufopa, Profa. Raimunda Monteiro, e com representantes das unidades acadêmicas da Instituição, foram discutidos ajustes para assinatura de um convênio entre a Secretaria e a Universidade para a realização de pesquisa e elaboração de estudos sobre a viabilidade ambiental da mineração no Rio Tapajós.

As discussões sobre a contratação da Ufopa para realização do estudo foram iniciadas em 2013, por iniciativa da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), com vistas ao licenciamento para a operação das cerca de 60 balsas de mineração, que extraem ouro e diamantes do leito do Rio Tapajós, entre Itaituba e Jacareacanga. O trabalho deverá ser desenvolvido por dois anos e os recursos serão provenientes da Seicom, através da Taxa Mineral.

“O estudo que a Ufopa realizará envolve pesquisadores de diversas áreas de conhecimento. Assim teremos um diagnóstico integrado, uma análise nas dimensões ambiental, social e econômica do impacto dessa atividade no leito do Tapajós. O trabalho que estamos realizando hoje é detalhar as condições em que a Universidade vai realizar esses estudos”, explica a reitora.

Participaram da reunião o diretor do Instituto de Engenharia e Geociências (IEG), Prof. Rodolfo Maduro Almeida; a diretora do Instituto de Biodiversidade e Florestas (IBEF), Profa. Elaine Pacheco de Oliveira; a diretora do Instituto de Ciências da Sociedade (ICS), Profa. Marlene Escher; o diretor do Centro de Formação Interdisciplinar (CFI), Prof. Andrei Morais; o Prof. Bernhard Perehovich (IEG); e o coordenador do Programa de Pós-Graduação em Recursos Aquáticos Continentais Amazônicos (PPG-RACAM), Prof. Keid Nolan Sousa.

 

Leia também:
Exportar pelo norte começa a ser realidade
Empresa explorará duas áreas florestais em rota de madeira ilegal
Aprovada regras para criação de municípios
MEC garante recursos para RU na Ufopa
O futuro de transporte fluvial na Amazônia
Imprimir

Os comentários estão fechados.