Major Curió usava crachá da Rede Globo

O major Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos protagonistas da repressão da ditadura militar, usou identificação falsa, fornecida pela Rede Globo de Televisão, na sua sanha sanguinária contra opositores do regime militar. Leonencio Nossa, premiado jornalista de O Estado de S. Paulo e autor de livros como O rio e Homens invisíveis, teve acesso exclusivo ao lendário arquivo pessoal do major Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos protagonistas da repressão da ditadura militar.

Imprimir

Identidade falsa que a Rede Globo forneceu ao torturador Sebastião Curió - do livro Mata!, de Leonencio Nossa

SÃO PAULO – O major Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos protagonistas da repressão da ditadura militar, usou identificação falsa, fornecida pela Rede Globo de Televisão, na sua sanha sanguinária contra opositores do regime militar.

Major Curió se passava como o repórter Marco Antônio Luchinni, da unidade de reportagem volante do Departamento de Telejornalismo da emissora. A identificação tinha validade até 31/12/1980, no auge da repressão da ditadura militar instalada no Brasil em 1964.

A Rede Globo de Televisão, que é uma concessão estatal, nos tempos da ditadura – assim como outros veículos de comunicação -, apoiaram e até colaboraram abertamente com os governos militares e suas ações repressoras, que tiraram a vida de muitas pessoas, entre elas o jornalista Wladimir Herzog, o deputado cassado Rubens Paiva, entre outros. A emissora dos Marinho de mãos dada com a ditadura!

O Bozó de Chico Anisio

Por ironia, o humorista da própria Rede Globo, Chico Anisio, imortalizou um personagem com a mesma verve do Major Curió, o hilário Bozó, que exibia crachá falso da emissora para facilitar suas ações. Sérgio Dias Magalhães Marinho é supostamente o nome de Bozó, que afirma para todo mundo ser um funcionário da Rede Globo.

Major Curió usava o crachá para torturar e até matar os opositores do regime.  Bozó também! Para nos matar de rir. Sutil diferença!

Verdades à parte, toda esta história está revelada em livro lançado recentemente.

Capa do livro que revela as ações do Major Curió

Resultado de dez anos de pesquisas em arquivos públicos e particulares, além de diversas viagens à região do Bico do Papagaio (confluência dos rios Araguaia e Tocantins) e de depoimentos de mais de 150 pessoas, o livro Mata! pode ser lido de diferentes maneiras.

Entre as numerosas facetas do livro – reportagem, relato histórico, pesquisa antropológica, reflexão política – a mais espetacular é, sem dúvida, seu conteúdo inédito de documentos sobre a Guerrilha do Araguaia (1966-74).
Leonencio Nossa, premiado jornalista de O Estado de S. Paulo e autor de livros como O rio e Homens invisíveis, teve acesso exclusivo ao lendário arquivo pessoal do major Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos protagonistas da repressão da ditadura militar à guerrilha.

O autor revela pela primeira vez detalhes das torturas e assassinatos que vitimaram dezenas de pessoas na década de 1970 na região do Araguaia, entre militantes do PC do B e simpatizantes locais.
Por outro lado, o livro também se deixa ler como um arrebatador panorama histórico do Bico do Papagaio e do sudeste do Pará – que se transformam, a partir do relato de Nossa, numa espécie de microcosmo dos conflitos sociais e fundiários do país. Mata! percorre quase duzentos anos na história da região, incluindo tragédias recentes como a exploração de ouro em Serra Pelada e os massacres de sem-terra, para compor um verdadeiro épico da desordenada ocupação do território amazônico a partir do século XX.

 

Leia também:
Projeto regulamenta patrimônio genético
Ufopa promove excursão pelo centro histórico
Pesquisa rápida descobre origem da malária
Pecuaristas tem capacitação em Juruti Velho
Imprimir

Um comentário para “Major Curió usava crachá da Rede Globo”

  1. H.I.H. Dom Marcellus disse:

    SAI & SAR Dom Marcellus

Deixe um comentário

Current month ye@r day *