Incra esclarece sobre titulação de terras quilombolas na região do Alto Trombetas

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) defende e reconhece o direito das famílias remanescentes de quilombos à titulação de áreas na região do Alto Trombetas, no município de Oriximiná (PA). Gestores e técnicos da autarquia colocam-se à disposição para receber o movimento quilombola. No Incra, tramitam dois os processos de territórios remanescentes de quilombos na região de Alto Trombetas: Alto Trombetas I e II.

Imprimir

Todas as propostas serão apresentadas às comunidades quilombolas envolvidas

SANTARÉM – Em nota enviada a redação desta GAZETA, com relação ao post “Quilombolas vem à Santarém exigir a imediata titulação de suas terras”, a assessoria de imprensa do Incra/Regional de Santarém esclarece que:

“O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) defende e reconhece o direito das famílias remanescentes de quilombos à titulação de áreas na região do Alto Trombetas, no município de Oriximiná (PA). Gestores e técnicos da autarquia colocam-se à disposição para receber o movimento quilombola, que, hoje (27), realizará um ato público em Santarém (PA).

No Incra, tramitam dois os processos de territórios remanescentes de quilombos na região de Alto Trombetas: Alto Trombetas I e II.

O processo de regularização fundiária das terras quilombolas do Alto Trombetas I encontra-se sobrestado até que haja conciliação no âmbito da Câmara de Conciliação e Arbitragem da Administração Federal (CCAF), em Brasília (DF), isso porque há uma sobreposição entre a área quilombola pretendida e duas unidades de conservação ambiental: a Reserva Biológica (REBIO) Rio Trombetas e a Floresta Nacional (Flona) Saracá-Taquera.

Até então, conforme o que cabia à Regional do Incra no Oeste do Pará, foi cumprida sua atribuição, com a elaboração do Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID).

Conforme o disposto no artigo 16 da Instrução Normativa (IN) do Incra nº 57/2009, quando há casos de sobreposição territorial, a autarquia e o outro órgão responsável, neste caso, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), devem tomar as medidas cabíveis visando garantir a sustentabilidade da comunidade quilombola.

Como se trata de controvérsia jurídica entre direitos constitucionais fundamentais, ou seja, de um lado, o direito difuso à preservação do patrimônio histórico e cultural brasileiro (artigos 215 e 216 da Constituição Federal de 1988 – CF/1988) e o direto das comunidades remanescentes de quilombo à titulação das terras que ocupam (artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da CF/1988); e de outro, o direito difuso ao meio ambiente ecologicamente equilibrado (artigo 225 da CF/1988), e ainda, não havendo entendimento entre os órgãos envolvidos quanto às medidas cabíveis visando garantir a sustentabilidade das comunidades quilombolas, deve ser instaurada uma Câmara de Conciliação e Arbitragem da Administração Federal, no âmbito da Advocacia-Geral da União (AGU).

A conciliação envolve uma decisão conjunta entre os atores envolvidos, uma vez que extrapola a governabilidade do Incra, que não tem prerrogativa de regularizar o território quilombola antes de solucionar a controvérsia relativa à sobreposição.

O Incra retomou as tratativas com o ICMBio dos seis casos no país em que há sobreposição entre território quilombola e unidade de conservação federal no âmbito da CCAF, por meio da implantação de um grupo de trabalho interinstitucional, com o compromisso de conciliação.

O referido grupo foi instituído por meio de portaria conjunta publicada no Diário Oficial da União (DOU) de 1º de março deste ano e estabelece prazo de 180 dias para conclusão dos trabalhos, prorrogável por igual período.

O Incra ressalta que todas as propostas serão apresentadas às comunidades quilombolas envolvidas, em consonância com a previsão legal de consulta e escuta aos povos tribais prevista na Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho.

Desta forma, o Incra esclarece que o processo de regularização do território Alto Trombetas I prosseguirá após a aprovação de conciliação entre as partes interessadas.

……….

Com relação ao processo Alto Trombetas II, o Incra tem como meta concluir o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) até o final do mês de junho deste ano.

Por fim, o Incra Oeste do Pará informa que todas as demandas e ações da autarquia são discutidas amplamente, a cada três meses, na mesa quilombola, que congrega técnicos e gestores do Incra, representações do movimento social e de órgãos de fiscalização, como o Ministério Público Federal (MPF).

 

 

 

 

Leia também:
Quase metade das escolas indígenas não tem…
Wladimir Costa na ‘Galeria dos Hipócritas’
Saúde, educação e solidariedade em Juruti
Diocese realiza a 16ª Semana da Comunicação
Quilombolas vem à Santarém exigir a imediata…
Grande recife de coral descoberto na foz do rio…
S. Francisco campeão do 2° turno do Parazão
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *