Estudantes aprendem a vivência empresarial

O grupo de estudantes iniciou as atividades este mês, com jornadas que serão concluídas no final do ano. O programa é voltado para estudantes que cursam o Ensino Médio em escolas públicas de Juruti e faz parte das ações de responsabilidade social da Alcoa, que possui atividades de mineração no município. A vivência prática do negócio gira em torno da fabricação de cabides de alumínio com 22 estudantes das escolas estaduais Emanuel Salgado Vieira e Raimundo de Souza Coelho, que durante 15 semanas assumem desafios profissionais na operação de uma mini-fábrica.

Imprimir

O programa de incentivo à vivência empresarial já está na sua quinta turma

JURUTI – Enquanto um grupo pensa na estratégia de venda e crescimento da empresa, outro atua na administração, fabricação e venda dos produtos. Essa é a rotina dos jovens empreendedores do Programa Miniempresa, em Juruti, Oeste do Pará.

O grupo de estudantes iniciou as atividades este mês, com jornadas que serão concluídas no final do ano. O programa é voltado para estudantes que cursam o Ensino Médio em escolas públicas de Juruti e faz parte das ações de responsabilidade social da Alcoa, que possui atividades de mineração no município.

“A Alcoa investe em projetos que trazem reflexo positivo para a comunidade. Na prática, a Miniempresa oferece uma noção exata do que é uma organização empresarial, preparando os jovens para os desafios do mercado de trabalho e estimulando o empreendedorismo”, comenta Rogerio Ribas, gerente de Recursos Humanos e Assuntos institucionais da Alcoa Juruti.

A vivência prática do negócio gira em torno da fabricação de cabides de alumínio com 22 estudantes das escolas estaduais Emanuel Salgado Vieira e Raimundo de Souza Coelho, que durante 15 semanas assumem desafios profissionais na operação de uma mini-fábrica. A equipe elege presidente e diretores para as áreas de Recursos Humanos, Produção, Finanças e Marketing; produzem e vendem, buscando o máximo de produtividade e rentabilidade; pagam salários e recolhem encargos e impostos que serão doados a instituições assistenciais.

Os jovens mergulham numa experiência empresarial, aprendendo a organizar e administrar um negócio com o apoio de funcionários da Alcoa que são os conselheiros voluntários. “Minha expectativa é somar tudo isso as minhas decisões futuras. Quem sabe não sigo uma carreira empresarial”, declara a estudante Eva Layane Canto Sena, 16 anos. Para Breno Bentes, 15 anos, que já decidiu cursar Mecatrônica no futuro, a experiência auxiliará seu foco. “Quero entender o funcionamento empresarial e descobrir maneiras de manter um negócio”, afirma o estudante.

De acordo com Márcio Aquino, presidente da Associação Comercial e Empresarial de Juruti (ACEJ), o programa desperta o espírito empreendedor dos jovens. “O rumo profissional dos estudantes, quando bem orientados, também traz desenvolvimento para a região”, relata. O programa utiliza a metodologia da Junior Achievement, sendo realizado com investimentos do Instituto Alcoa com a parceria de empresas locais.

 

 

 

Leia também:
Empresas se recusam a pedir desculpas a…
Jatene defende que estado e municípios…
Audiência debate violações contra quilombolas
Caiuá, a ONG de R$ 2 bilhões que se tornou…
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *