Comunidade quilombola Peruana, em Óbidos, recebe título de terra

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) concedeu, esta semana, títulos de terra a duas comunidades quilombolas do Pará: um deles à comunidade Peruana, em Óbidos, no noroeste paraense. Na comunidade Peruana, 16 famílias vivem em 1,9 mil hectares, e formam a Associação da Comunidade Remanescente de Negros da Área da Peruana. A Terra Quilombola Peruana é a segunda titulada em Óbidos, 18 anos depois da primeira regularização, quando a Fundação Cultural Palmares titulou a Terra Quilombola Cabeceiras. A entrega do título à comunidade Peruana foi feita no último dia 8, em cerimônia na superintendência do Incra em Santarém.

Imprimir

A entrega do título de terra em Bujaru

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) concedeu, esta semana, títulos de terra a duas comunidades quilombolas do Pará: à comunidade Peruana, em Óbidos, no noroeste paraense e à comunidade São Judas Tadeu, do município de Bujaru.

As entregas desses títulos foram cobradas pelo Ministério Público Federal (MPF) em várias atuações extrajudiciais da instituição, como nas Mesas Quilombolas – espaço formal de diálogo criado pelo Incra com o objetivo de discutir a situação dos processos de regularização fundiária de territórios quilombolas com instituições parceiras e movimentos sociais – e por meio da instauração de inquéritos civis.

“Toda titulação é motivo de grande comemoração pelo MPF, porque acompanhamos de perto a luta e a esperança dessas famílias, e trabalhamos ao lado delas para que esse direito seja reconhecido”, destaca o procurador da República Felipe de Moura Palha e Silva, com atuação especializada na defesa de populações indígenas e comunidades tradicionais.

“É a partir do reconhecimento desse direito que fica garantido às famílias a dignidade e a segurança de saber que estão no nome delas as terras onde vivem há gerações, onde mantém toda a riqueza cultural que possuem, e onde está o futuro de seus filhos e netos”, explica o procurador da República.

Na comunidade Peruana, 16 famílias vivem em 1,9 mil hectares, e formam a Associação da Comunidade Remanescente de Negros da Área da Peruana. São 86 famílias quilombolas na comunidade São Judas Tadeu. Os dados sobre números de famílias são da Comissão Pró-Índio de São Paulo (CPI-SP).

Segundo a organização não governamental, a Terra Quilombola Peruana é a segunda titulada em Óbidos, 18 anos depois da primeira regularização, quando a Fundação Cultural Palmares titulou a Terra Quilombola Cabeceiras.

A entrega do título à comunidade Peruana foi feita no último dia 8, em cerimônia na superintendência do Incra em Santarém.

À CPI-SP uma das lideranças quilombolas da comunidade Peruana declarou que a titulação “é um avanço tão importante, ainda mais nesse momento porque passa o nosso país. Foi uma luta muito grande para que fosse publicada essa portaria. A publicação dá força para a gente continuar na luta”.

O nome da liderança não está sendo divulgado pelo MPF porque ele está incluído no Programa de Defensores de Direitos Humanos após sofrer ameaças de posseiros que tentam permanecer ilegalmente na Terra Quilombola. O caso está sendo investigado pelo MPF. (Ascom/MPF)

 

 

 

Leia também:
Carta com ameaças à universitárias da UFPA…
Sojeiros são acusados de ameaçar Comissão de…
Radiologistas são homenageados em sessão…
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *