Alcoa dialoga sobre desenvolvimento sustentável e mineração no Pará

Em eventos realizados em Belém, o gerente corporativo de Sustentabilidade da Alcoa no Brasil, Fábio Abdala, ministrou palestras voltadas ao desenvolvimento econômico e social, e biodiversidade na Amazônia. A Alcoa compartilhou as experiências de sua unidade de mineração de bauxita instalada no município de Juruti, Oeste do Pará, na Conferência Ethos, promovida pelo Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, e no Fórum Amazônia, da revista Exame. Um dos destaques nas operações da Alcoa em Juruti é a aplicação de técnica inovadora e de alta performance na reabilitação de áreas mineradas.

Imprimir

A conferência da Ethos, promovida pela revista Exame

“Para Juruti, o Pará e o Brasil, a mineração é um fator de alavanca do desenvolvimento e também da sustentabilidade. Por isso que cada vez mais a Alcoa tem buscado eficiência no seu modo de operar, mitigando, de maneira expressiva, os impactos ambientais”. Essa foi uma das observações feitas pelo gerente corporativo de Sustentabilidade da Alcoa no Brasil, Fábio Abdala, durante palestras realizadas em Belém.

A Alcoa compartilhou as experiências de sua unidade de mineração de bauxita instalada no município de Juruti, Oeste do Pará, na Conferência Ethos, promovida pelo Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, e no Fórum Amazônia, da revista Exame.

Um dos destaques nas operações da Alcoa em Juruti é a aplicação de técnica inovadora e de alta performance na reabilitação de áreas mineradas. Antes de realizar a supressão vegetal e iniciar as operações, a fauna e flora são identificadas sob os aspectos da quantidade e qualidade das espécies para servir de base para a reabilitação. O solo orgânico, rico em sementes e nutrientes, também é guardado para uso na reabilitação.

Indo além das operações da mina, a Alcoa investe em parcerias com o poder público local e com organizações não-governamentais em iniciativas que contribuem com a conservação da biodiversidade. “Entre as contribuições da Alcoa na conservação da biodiversidade amazônica, podemos citar as parcerias da empresa para o fortalecimento de corredores ecológicos na região do Tapajós-Abacaxis; a criação da Reserva de Vida Silvestre do Lago Mole em Juruti; o apoio na elaboração do Plano de Conservação da Biodiversidade, Zoneamento Econômico-Ecológico do município de Juruti; e o projeto de Restauração Florestal com o engajamento feminino”, enumera Fábio Abdala.

Atualmente, a Alcoa participa de diálogos com o Instituto Juruti Sustentável (IJUS), Prefeitura local e Imazon, realizando estudos de implantação do Parque da Cidade no Lago Jará e diagnósticos para verificar a adequação do Índice de Progresso Social (IPS) como metodologia para contínuo monitoramento dos indicadores socioeconômicos de Juruti.

Para a Alcoa, contribuir com a biodiversidade num território maior do que opera, é muito importante, uma vez que reitera a preocupação da empresa para além das operações na mina, expandindo o seu cuidado para a comunidade em geral. Em relação, à participação nos eventos do Instituto Ethos e revista Exame, a empresa demonstra satisfação em compartilhar suas experiências e aprendizados.

“Integrar esses diálogos com líderes da sociedade civil, especialistas e representantes do setor de negócios, é de alta relevância, uma vez que temos a chance de aprender, refletir e ainda expor nosso ponto de vista”, frisou Fábio Abdala. (Ascom/Alcoa)

 

 

 

Leia também:
Juiz denuncia empresária Ruth Oliveira que…
Comunidade quilombola Peruana, em Óbidos…
O bom e o melhor. Por Madson Luiz Moda
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *