Tribunal nega liberdade para presos na operação Madeira Limpa

Foram negados os pedidos de liberdade feitos pelos empresários Irio Luiz Orth, Everton Douglas Orth e Eloy Luiz Vaccaro e pelo ex-superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Santarém, Luiz Bacelar Guerreiro Júnior. Eles são acusados de coagir trabalhadores rurais a aceitarem a exploração ilegal de madeira dos assentamentos do oeste paraense em troca da manutenção de direitos básicos, como o acesso a créditos e a programas sociais.

Imprimir

Luis Bacelar: preso desde agosto

SANTARÉM – O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, negou, no último dia 21, a concessão de habeas corpus para quatro presos pela operação Madeira Limpa.

Foram negados os pedidos de liberdade feitos pelos empresários Irio Luiz Orth, Everton Douglas Orth e Eloy Luiz Vaccaro e pelo ex-superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Santarém, Luiz Bacelar Guerreiro Júnior. Os Orth e Bacelar estão presos em Santarém. Vaccaro está preso em Santa Catarina.

Todos foram presos em agosto, depois que a PF desbaratou quadrilha de extração e comércio ilegal de madeira em vários municípios do Pará e em Manaus (AM) e Florianópolis (SC).

Denúncias contra os quatro e mais 26 acusados foram encaminhadas pelo Ministério Público Federal (MPF) à Justiça em setembro.

Os crimes denunciados são estelionato, falsidade ideológica, receptação ilegal, corrupção passiva e ativa, apresentação de documentos falsos, violação de sigilo profissional, advocacia administrativa e crimes ambientais.

As penas para esses crimes chegam a até 12 anos de prisão e multa, e podem ser aumentadas por conta da quantidade de vezes que os crimes foram cometidos.

A quadrilha é acusada de coagir trabalhadores rurais a aceitarem a exploração ilegal de madeira dos assentamentos do oeste paraense em troca da manutenção de direitos básicos, como o acesso a créditos e a programas sociais.

O prejuízo mínimo estimado ao patrimônio público é de R$ 31,5 milhões. (Com informações do MPF)

 

 

Leia também:
Prêmio Nobel fará palestra na Ufopa
Bancos reabrem depois de 21 dias de greve
Ufopa sedia evento da Rede Bionorte
Funai publica estudo da Terra Indígena…
Seminário discute terras quilombolas e unidades…
Imprimir

Um comentário para “Tribunal nega liberdade para presos na operação Madeira Limpa”

  1. Tereza Barbosa disse:

    Noticia absurda!!!!! Fantasiosa e pavorosa!!!!
    Quem conhece o Bacelar, sabe muito bem que ele não é capaz de oprimir um pobre assentado.
    Deve haver um grande mal entendido. Espero e rogo a Deus que os fatos sejam esclarecidos e a justiça seja feita.

Deixe um comentário

Current month ye@r day *