Operação Amazônia Legal 2 desarticula esquema de fraude ambiental

O esquema de desbloqueio de empresas madeireiras irregulares era feito nos sistemas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Pelas investigações, a estimativa é de que 1.293 caminhões tenham feito o transporte de madeira ilegal extraída de 3.642 árvores. Os presos irão permanecer presos à disposição da Justiça. A fraude rendeu mais de R$ 12 milhões aos criminosos. O trabalho investigativo teve início em 2015, quando foi realizada a primeira fase da operação, com cumprimentos de mandados de busca e apreensão.

Imprimir

O trabalho investigativo teve início em 2015, quando foi realizada a primeira fase da operação, com cumprimentos de mandados de busca e apreensão.

BELÉM – A Polícia Civil deflagrou, ontem, dia 3, a segunda etapa da operação Amazônia Legal para desarticular um esquema de desbloqueio de empresas madeireiras irregulares nos sistemas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

Ao todo, foram cumpridos, em Belém e nos municípios de Marabá, Tailândia, Goianésia do Pará e Santarém, no Pará, e em Itinga, no Maranhão, nove mandados de prisão preventiva e dois de condução coercitiva, além de 16 mandados de busca e apreensão. A fraude rendeu mais de R$ 12 milhões aos criminosos.

O trabalho investigativo teve início em 2015, quando foi realizada a primeira fase da operação, com cumprimentos de mandados de busca e apreensão. Na ocasião, as equipes policiais apreenderam na casa de um madeireiro, em Goianésia do Pará, sudeste do Estado, centenas de canhotos de cheques já emitidos.

Foram encontrados quatro canhotos no valor de R$ 50 mil em que um dos beneficiados era Uederson de Amadeu Ferreira, analista ambiental do Ibama de Marabá e especialista em informática. As investigações presididas pela delegada Juliana Cavalcante, da Divisão Especializada em Meio Ambiente (Dema), apontaram que o funcionário público federal era o beneficiário direto dos cheques.

No aprofundamento das investigações, destaca a delegada, foi possível constatar que Uederson instalou programas que copiavam dados digitados em um computador situado na mesma sala em que trabalhava no Ibama. Nos momentos de ausência do colega de trabalho, ele utilizava o computador para desbloquear empresas madeireiras que estavam irregulares junto ao Ibama e que, portanto, estavam impedidas de atuar na extração e transporte de madeira. Para tanto, ele mantinha contato com os responsáveis pelas empresas para cobrar deles valores em dinheiro para fazer o desbloqueio e assim possibilitar a liberação das guias florestais para autorizar o transporte de madeiras.

Ao todo, 23 empresas bloqueadas no sistema foram liberadas para atuar na extração de madeira pelo analista ambiental, segundo as investigações. Conforme apurou a delegada, durante o inquérito, o analista ambiental teria recebido em torno de R$ 200 mil de pessoas ligadas às empresas madeireiras. O esquema contava ainda com apoio de um comparsa de Uederson, identificado como Anderson Ferreira Bezerra, responsável em receber os valores em conta bancária.

Pelas investigações, a estimativa é de que 1.293 caminhões tenham feito o transporte de madeira ilegal extraída de 3.642 árvores. Os presos irão permanecer presos à disposição da Justiça. A operação policial foi coordenada pela Diretoria de Polícia Especializada (DPE), da Polícia Civil, e contou com atuação de policiais civis de Delegacias Especializadas da capital. Os presos e objetos apreendidos foram levados para a Delegacia-Geral, onde foram realizados os depoimentos dos acusados. As investigações continuam.

Para o delegado-geral Rilmar Firmino, as investigações ajudaram no combate ao desmatamento e transporte ilegal de madeira. Conforme o titular da Polícia Civil, no ano passado, o Estado do Pará conseguiu reduzir os índices de desmatamento, porém, no primeiro semestre deste ano, houve um aumento nos níveis de devastação da floresta. (Com informações da Secom)

 

 

 

Leia também:
Ibama vai negar licença para hidrelétrica no rio…
Ação Civil Pública pede rescisão de contrato…
MPF quer cancelar definitivamente licença…
Energia elétrica da Celpa terá reajuste de 7,59%…
Vacinação contra aftosa em Faro e Terra Santa
Mais de 12 mil candidatos farão concurso da…
Imprimir

Um comentário para “Operação Amazônia Legal 2 desarticula esquema de fraude ambiental”

  1. Alemão disse:

    Novo Progresso, PA
    Alguém de vocês já se fez a Pergunta, por que em uma Investigação Federal, repetindo ” FEDERAL “, pra ser mais exato Operação Castanheira a Poliçia Federal não descobre um Imegrante Alemão trabalhando ilegalmente na Empresa do Principal Alvo da mesma ????? Istu esta cheirando mau !!! Se perguntando quem mandou montar uma Operação deste Porte não esta sabendo do Fato ???? Em Paises a ondem a Ler funçiona não existe Coisas assim, Brasileiros clondestinos discoberto na Alemanha por exempelo serão deportado Imeatamente, séra esta maravilhoso Pais de Voceis da bargunçado assim mesmo ?????
    O Ratinho da SBT ir dizer “Istu e uma Vergonha “, Eu não sei o que a Cópia dela aqui de Progresso ir dizer, bem provavel nada, pois preçisa de ter COURAGE pra faler que aconteçe em Certo de Rico !!!!!!! A sim, quem esta escrevendo istu Aqui sou Eu mesmo o Alem!ao do Mercado Cast…. !!!!! A sim não esqueçendo do Dinheiro de Voceis Cidadães Brasileiros, os Empostos quais Voceis paga carisimo, jogado fora a toa o Dinheiro para OperaçÕes quais são mais a toa ainda, ser a PF não dar conta de Identeficar um Clondestino, talvez até foragido do Pais dele melhor eles troca a Profissão deles, talvez trabalhndo de Padeiro, Pedreiro ou roçar Jucira mesmo !!!!!

Deixe um comentário

Current month ye@r day *