Justiça suspende nomeação do filho de deputado na delegacia do MDA

Yorran Costa, filho do deputado Wladimir Costa, estava no cargo desde janeiro, mas segundo a juíza federal Mariana Garcia Cunha, como estudante, Yorran não tem experiência profissional alguma,tampouco experiência de gestão. Além disso, ainda está em curso sua formação acadêmica. O fato de cursar Direito não é suficiente para afastar a falta de experiência profissional, pois seu histórico escolar descreve um aluno mediano, com notas próximas da média mínima e reprovação em várias matérias.

Imprimir

Wladimir Costa e seu filho Yorran Costa

BELÉM - A Justiça Federal determinou liminarmente, nesta quinta-feira (08), que seja suspensa a nomeação do estudante de Direito Yorann Christie Braga da Costa, 22 anos, que desde o dia 25 de janeiro deste ano ocupa o cargo de delegado da Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário no Estado do Pará.

Da decisão assinada pela juíza federal substituta da 5ª Vara, Mariana Garcia Cunha, ainda cabe recurso ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília (DF).

“Por certo, a gestão de um órgão nas mãos de pessoa sem preparação para tanto já representa risco à coisa pública. Em que pese não se trate do ordenador de despesas, um cargo que tem como atribuição gerenciamento de políticas de agricultura familiar e desenvolvimento agrário no Estado do Pará, com poderes de gestão, é passível de causar prejuízo ao patrimônio público, justificando o afastamento ainda em decisão com cognição sumária”, escreve a juíza na decisão.

A juíza excluiu o presidente Michel Temer da ação por não reconhecer a “legitimidade passiva” dele no processo.

Yorran Costa estava há 2 meses no exercício do cargo para o qual fora nomeado por influência política do pai junto ao atual governo de Temer, do qual é aliado.

“O estudante não tem experiência profissional alguma,tampouco experiência de gestão. Além disso, ainda está em curso sua formação acadêmica. O fato de cursar Direito não é suficiente para afastar a falta de experiência profissional, pois seu histórico escolar descreve um aluno mediano, com notas próximas da média mínima e reprovação em várias matérias”, diz a juíza federal na decisão.

Ela julgou pedido de liminar em ação popular movida contra a nomeação do filho de Wlad pelo advogado socioambiental Ismael Moraes. (Com informações da Ascom da TRF1 e Jeso Carneiro)

 

 

 

Leia também:
Simão Jatene visita obras e assina convênios
Comunidade de Juruti ganha incentivo para…
Culinárias pantaneira e amazônica tem…
Denise Gentil: “o objetivo dos conservadores é…
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *