A trajetória de J. Hawilla: da Globo até a Fifa

J. Hawilla dirigia a área de esportes da Rede Globo em São Paulo quando ajudou a organizar a greve dos jornalistas, em 1979, e acabou demitido. Foi então que o ex-repórter de campo começou como empresário, comercializando placas de publicidade em estádios. Não deixou mais o negócio, embora tenha retornado temporariamente ao jornalismo da Globo. A partir da Traffic, empresa de publicidade em pontos de ônibus que comprou e ampliou em 1980, ele fundou em 2003 a TV TEM, acrônimo de Traffic Entertainment and Marketing, uma cadeia de afiliadas da Rede Globo no interior de São Paulo. Foi também do Grupo Globo que o empresário comprou, em 2009, o “Diário de S.Paulo”, seu principal investimento em imprensa. A partir dos anos 1990, Hawilla virou um dos principais nomes dos bastidores do futebol brasileiro. Após negociar com CBF e Conmebol, a Traffic chegou até a Fifa.

Imprimir

José Hawilla e Galvão Bueno em jantar de homenagem a Ricardo Teixeira

SÃO PAULO – Réu confesso no escândalo de corrupção entre a Fifa e empresas de marketing esportivo, o empresário brasileiro José Hawilla, conhecido apenas como J. Hawilla, 71, tem aversão à cor preta.

Desde que se envolveu em dois acidentes dirigindo um carro preto (em um deles, atropelou um ciclista, e, no outro, quase caiu em um precipício), o paulista tem contato mínimo com a cor.

Sua ascensão de jornalista a Midas da comercialização de direitos comerciais de eventos esportivos começou no fim dos anos 70 –sem nunca, claro, vestir preto.

J. Hawilla dirigia a área de esportes da Rede Globo em São Paulo quando ajudou a organizar a greve dos jornalistas, em 1979, e acabou demitido. Foi então que o ex-repórter de campo começou como empresário, comercializando placas de publicidade em estádios. Não deixou mais o negócio, embora tenha retornado temporariamente ao jornalismo da Globo.

A partir da Traffic, empresa de publicidade em pontos de ônibus que comprou e ampliou em 1980, ele fundou em 2003 a TV TEM, acrônimo de Traffic Entertainment and Marketing, uma cadeia de afiliadas da Rede Globo no interior de São Paulo.

É hoje a maior em extensão, cobrindo quase metade do Estado, com cidades como São José do Rio Preto, onde ele nasceu, Bauru, Sorocaba e Jundiaí. No total, são 318 municípios e 7,8 milhões de habitantes, alcançando 49% do interior paulista.

Foi também do Grupo Globo que o empresário comprou, em 2009, o “Diário de S.Paulo”, seu principal investimento em imprensa. Já havia montado então a Rede Bom Dia, de jornais em cidades da área coberta pela TV TEM, como Rio Preto.

O projeto não avançou e Hawilla acabou revendendo o “Diário”.

O FUTEBOL Em 1987, assumiu a organização e a comercialização dos direitos de TV e patrocínio da Copa América. Dois anos depois, quando Ricardo Teixeira assumiu a CBF, começou a fazer negócios também com a entidade que gere o futebol brasileiro.

O primeiro acordo foi intermediar um contrato de US$ 1 milhão da confederação com a Pepsi. Outros incontáveis negócios (patrocínios da Umbro e da Coca-Cola) com a CBF se somaram até que a Traffic fez o meio de campo do acordo com a Nike, assinado em 1996, que foi alvo até de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito).

A partir dos anos 1990, Hawilla virou um dos principais nomes dos bastidores do futebol brasileiro. Após negociar com CBF e Conmebol, a Traffic chegou até a Fifa.

Uma parceria com a Band, com a qual dividia custos e faturamento da programação esportiva do canal, colocou mesmo os eventos menos importantes cujos direitos de transmissão pertenciam à empresa, na televisão aberta.

O ponto alto dessa parceria foi o papel fundamental que o grupo teve na realização do primeiro Mundial de Clubes da Fifa, em 2000. O torneio foi exibido na TV aberta apenas pela Band.

Já nos anos 2000, a Traffic quis deixar de ser apenas uma empresa de marketing esportivo e criou um braço para tratar dos negócios que envolvem o futebol jogado dentro de campo. A empresa deu origem a um fundo de investimentos para compra de direitos econômicos de jogadores e o repasse desses atletas a clubes parceiros.

A maior parceria foi a selada com o Palmeiras. Em 2008, impulsionado pelo dinheiro da empresa, o clube encerrou um jejum de 12 anos do clube sem vencer o Paulista.

A Traffic também criou o seu próprio centro de treinamentos para formação de jovens atletas, em Porto Feliz (120 km de São Paulo), e um clube para registrar esses jogadores, o Desportivo Brasil.

O poder adquirido pela Traffic na Conmebol passou a incomodar alguns dirigentes e empresários estrangeiros, notadamente argentinos.

Nos últimos anos, o nome de Hawilla ganhou resistência na entidade, e a empresa perdeu força. Ele foi chamado de “persona non grata” na Conmebol após entrar na Justiça para tentar recuperar direitos sobre competições. (Com informações da Folha de São Paulo)

 

 

 

Leia também:
Procuradora compara Fifa à máfia e a cartéis de drogas
Justiça manda prefeito recuperar área desmatada
Marin recebeu R$ 2 mi de propina por ano 
Açaí gera receita de R$ 225,7 milhões ao Pará
Juízes brasileiros querem ser Maria Antonieta?
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *