Tucuxi é o campeão do Festival dos Botos

Com o tema “A Expressão do Çairé”, o Boto Cinza mostrou todo o misticismo que há por trás dos rituais indígenas e a sedução das águas. Com apenas um ponto de diferença para o rival Cor de Rosa, o Boto Cinza confirmou o favoritismo e conquistou um inédito tricampeonato (2015, 2016 e 2017). De quebra ficou à frente do adversário em número de títulos: 10 a 9. A apresentação do Tucuxi chamou atenção com alegorias articuladas, sendo uma de um grande camaleão, que deixaram o espetáculo mais belo.

Imprimir

O presidente do Boto Tucuxi exibe o troféu que lhe deu o tricampeonato do festival dos Botos

SANTARÉM – O Festival dos Botos consagrou o Tucuxi como o grande campeão da disputa em 2017. Com apenas um ponto de diferença para o rival Cor de Rosa, o Boto Cinza confirmou o favoritismo e conquistou um inédito tricampeonato (2015, 2016 e 2017). De quebra ficou à frente do adversário em número de títulos: 10 a 9.

Com o tema “A Expressão do Çairé”, o Boto Cinza mostrou todo o misticismo que há por trás dos rituais indígenas e a sedução das águas. A apresentação do Tucuxi chamou atenção com alegorias articuladas, sendo uma de um grande camaleão, que deixaram o espetáculo mais belo.

O boto homem, interpretado por Alex Oliveira, e a cabocla borari, interpretada por Elna Canto, deram um espetáculo à parte encenando a sedução de uma das lendas mais famosas da Amazônia. A inovação ficou pela piscina de água, montada no meio do palco, local onde o boto seduziu a cabocla.

A mesa responsável pela apuração das notas

A apuração das notas dos três jurados iniciou pouco depois das 17h, de segunda, dia 25, no Lago dos Botos. Como de costume, as notas chegaram sob escolta da Polícia Militar, em bolsas, devidamente fechadas. Após a verificação feita pelos fiscais e coordenadores, foram apresentadas ao locutor da festa, o radialista Sinval Ferreira.

Os jurados avaliaram os seguintes quesitos: Apresentador; Cantador, Rainha do Çairé, Cabocla Borari, Curandeiro, Rainha do Artesanato, Boto Homem Encantador, Boto Animal, Rainha do Lago Verde, Carimbó, Organização do conjunto folclórico, Alegorias, Letra e Música, Ritual e Torcida, Evolução e Sedução. Lidas as notas, o Boto Tucuxi obteve 475,5 pontos contra 474,5 do Cor de Rosa.

Para os membros da diretoria esta foi uma vitória que superou as dificuldades impostas durante os meses que antecederam a festa. “O tricampeonato veio com uma satisfação de ver o trabalho reconhecido, apostando principalmente no talento local, fazendo jus ao nosso contexto histórico, folclórico e religioso. Não foi fácil participar dessa disputa, principalmente em virtude dos poucos recursos, mas somos guerreiros e o trabalho em equipe nos deu mais esse título, todos que fazem o Boto Tucuxi estão de parabéns”, disse o vice-presidente do BotoTucuxi, Edilberto Ferreira.

O presidente do Boto Cor de Rosa discordou sobre algumas notas dadas a sua agremiação. No início da apuração ele entrou com recurso para desclassificar o boto contrário alegando que houve apologia política na apresentação do Tucuxi, fato que, segundo ele, é proibido pelo regulamento. No entanto, o recurso foi negado pela Comissão.

“Agora é recomeçar. Vamos pensar no próximo Festival para sermos campeões novamente”, disse o presidente do Cor de Rosa. (Secom)

 

 

 

Leia também:
Cientistas do Brasil e astronauta da NASA…
Os pobres da Amazônia não são passivos e…
Decreto revoga extinção da Renca
Botos Tucuxi e Cor de Rosa encantam em…
Festa do Çairé tem tradição e religiosidade
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *