Médicos do HMS denunciam atraso de salário, falta de condições de trabalho e remédios

Os médicos plantonistas do Hospital Municipal de Santarém divulgaram nota de esclarecimento à população sobre uma possível paralisação de atendimento naquele hospital e denunciaram o atraso de salário e a falta de medicamentos e de condições de trabalho no local. Segundo a nota eles dizem que não se justifica em hipótese alguma, o descaso e desrespeito da Prefeitura, da Secretaria de Saúde e do Governo Federal, com a população que paga seus impostos corretamente e tem o direito de ser bem atendida.

Imprimir

O prefeito Alexandre Von vem pagando com atraso os salários dos médicos plantonistas do HMS, que denunciaram o sucateamento

SANTARÉM – Os médicos plantonistas do Hospital Municipal de Santarém divulgaram nota de esclarecimento à população sobre uma possível paralisação de atendimento naquele hospital e denunciaram o atraso de salário e a falta de medicamentos e de condições de trabalho no local.

Sobre salários eles denunciam que os atrasos nos pagamentos ocorrem de forma constante, todos os meses, desde setembro do ano passado, pois deveriam ser realizados até o dia 10 de cada mês. “O atraso do corrente mês, com o pagamento apenas no dia 23, acabou por ser o estopim para a insatisfação da classe médica local e de solicitação de providências”, diz a nota.

A nota enfatiza ainda que as reivindicações da classe médica não têm relação apenas com os atrasos nos pagamento, porém, some-se a isso o fato de que a Secretaria de Saúde do Município de Santarém não tem fornecido ao Pronto Atendimento do Hospital Municipal e à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) as condições mínimas para o atendimento à população, faltam medicamentos básicos e estrutura para exercer a medicina (exames, leitos, equipamentos e segurança, etc.), o número de médicos por unidade para atendimento aos plantões é insuficiente, assim como, o número de enfermeiros, técnicos de enfermagem, técnicos de RX e atendentes, também é reduzido, o que causa grandes transtornos no atendimento aos pacientes que buscam a rede pública de saúde.

Eles ainda chamam atenção para o fato da importância do Pronto Socorro e da UPA para a cidade de Santarém, em especial nessa época do ano, em razão das festas de final de ano, que fazem aumentar as ocorrências.

Apesar disso, os pagamentos dos médicos estão em atraso mês a mês, somando-se a precariedade já existente na estrutura desses serviços. Entendemos que não se justifica em hipótese alguma, o descaso e desrespeito da Prefeitura, da Secretaria de Saúde e do Governo Federal, com a população que paga seus impostos corretamente e tem o direito de ser bem atendida.

Eis o teor da nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO DOS MÉDICOS PLANTONISTAS

DO HOSPITAL MUNICIPAL DE SANTARÉM

 Os médicos plantonistas de Santarém e Região, em razão das notícias veiculadas nas redes sociais sobre uma paralisação das atividades nesse final de ano, vêm a público, através de seus representantes, prestar esclarecimentos a população e manifestar apoio a todos os médicos e profissionais da rede pública de saúde do Município de Santarém, haja vista as péssimas condições de trabalho, o que os impede de prestar um atendimento médico de qualidade à população, além dos constantes atrasos em seus pagamentos.

Os atrasos nos pagamentos estão a ocorrer de forma constante, todos os meses, desde setembro do ano passado, pois deveriam ser realizados até o dia 10 de cada mês. O atraso do corrente mês, com o pagamento apenas no dia 23, acabou por ser o estopim para a insatisfação da classe médica local e de solicitação de providências.

Importante esclarecer, ainda, que as reivindicações da classe médica não têm relação apenas com os atrasos nos pagamento, porém, some-se a isso o fato de que a Secretaria de Saúde do Município de Santarém não tem fornecido ao Pronto Atendimento do Hospital Municipal e à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) as condições mínimas para o atendimento à população, faltam medicamentos básicos e estrutura para exercer a medicina (exames, leitos, equipamentos e segurança, etc.), o número de médicos por unidade para atendimento aos plantões é insuficiente, assim como, o número de enfermeiros, técnicos de enfermagem, técnicos de RX e atendentes, também é reduzido, o que causa grandes transtornos no atendimento aos pacientes que buscam a rede pública de saúde.

Oportuno informar à população que os médicos estão expostos em sua integridade física pela falta de segurança e de condições de trabalho, que os constantes transtornos no atendimento no Hospital Municipal e UPA, não se deve à falta, ou ao não comparecimento dos médicos aos plantões, e sim, ao número reduzido dos outros profissionais nos quadros de funcionários da Secretaria de Saúde, e do pagamento de um número maior de médicos plantonistas, em razão disso, o atendimento à população é demorado e precário, pois, por uma questão de coerência e lógica, esses profissionais são obrigados a atender os casos de emergência em primeiro lugar, deixando os casos supostamente mais “leves” para depois, o que gera uma espera de longas horas para atendimento, não sendo justo com aquele que sente dor, tem febre, e que também necessita de um atendimento rápido e humanizado. O que se agrava no período noturno, onde os hospitais citados, que deveriam funcionar 24h, têm seus exames complementares e avaliações de especialistas reduzidos durante este período.

A importância do Pronto Socorro e da UPA para a cidade de Santarém é evidente, em especial nessa época do ano, em razão das festas de final de ano, que fazem aumentar as ocorrências. Apesar disso, os pagamentos dos médicos estão em atraso mês a mês, somando-se a precariedade já existente na estrutura desses serviços. Entendemos que não se justifica em hipótese alguma, o descaso e desrespeito da Prefeitura, da Secretaria de Saúde e do Governo Federal, com a população que paga seus impostos corretamente e tem o direito de ser bem atendida.

Os médicos plantonistas, no exercício de sua missão pela defesa por melhores condições de trabalho dos médicos, solidarizam-se com estes, e com todos os profissionais da área da saúde, os quais tem feito o máximo possível para bem atender a população, mas, infelizmente, os poderes públicos constituídos, a Prefeitura de Santarém e a Secretaria de Saúde, não têm feito a sua parte.

Informamos à população que apesar de todas as condições desfavoráveis, a decisão da classe foi a de não fazer nenhum tipo de greve ou paralisação e continuar na prestação dos nossos serviços, por entendermos a essencialidade da nossa função, feita como juramento solene por ocasião de nossa formatura.

Esperamos que em um futuro próximo os nossos representantes consigam enxergar a função que desempenhamos, juntamente com os demais profissionais da área da saúde, com a mesma importância dos bens e interesses a que dedicamos nossas vidas para cuidar. Estamos à disposição para dialogar com o Prefeito e os representantes da saúde pública e seus usuários, para, em conjunto, encontrarmos soluções para os problemas da saúde em Santarém.

 Santarém-PA, 26 de dezembro de 2015

 

Médicos Plantonistas do HMS

Leia também:
O pior brasileiro do ano. Por Paulo Nogueira
Alcoa celebra resultados com exposição…
Na Missa do Galo, papa Francisco pede…
Um gesto. Por Helvecio Santos
Mariana, em Minas, desperta Oriximiná, no Pará…
Imprimir

Deixe um comentário

Current month ye@r day *